Seguir por email

sábado, 29 de julho de 2017

tinta permanente - João Pires - "Palavras Inteiras"

Palavras inteiras

Linguagem corporal das palavras
O calor do abraço enrolado numa frase
Sinais de fumo para comunicar
Palavras arrependidas, inseguras
Palavras inconstantes e sonhadoras
Palavras traidoras, desleais, inconfidentes
Palavras castradas, suprimidas e magoadas
Palavras arrastadas como a última onda
Palavras arrepiadas de um vento cortante

Depois vem a Primavera
Alisas o cabelo e segues em frente
Partilhas o teu pensamento mais puro
Face ao fracasso da humanidade
Regressas à poesia das boas palavras
Palavras alisadas, acariciadas
Palavras embelezadas e retocadas
Palavras sedutoras e sopradas ao ouvido
Palavras ciciadas
Palavras que deslizam na pele
Palavras sussurradas
Palavras num só abraço
Palavras de seda e mel
Palavras sôfregas e desejosas
Ansiosas e ávidas palavras

Palavras transformadas em frases
Numa escrita de espaços brancos
Pontuadas por ideias soltas
Que vieram alimentar a alma
Acariciar em suaves movimentos
Frases de amor numa praia sem vivalma
Banco de jardim onde repousa o poeta
E tu passeias pelo meio da relva
Num tempo perdido sem ampulheta
Numa esquecida e abandonada selva
De animais ferozes e selvagens
Qual alcateia de palavras feridas

Selva das palavras maltratadas
Das incompletas frases
Das famosas frases publicitárias
Para que mais servem as palavras?

Gosto inato pelo pensamento
Coerência e sensibilidade
Viajam dentro do coração
Num ambiente de reciprocidade

A infância está esquecida
O passado não importa
Viver o presente é mais importante
Aquela história é letra morta

Canta um poema para mim
Desfia estrofes sobre a vida
Seduz com as palavras de um pensamento
Numa suave dança atrevida

E a música que se atreve melodiosa
Combinando sons musicais
Numa tarde de Verão graciosa
Sem delírios gramaticais

Se amanhã acordares com novas ideias
Levantas voo bem alto para passear
Pelas nuvens azuis da alameda principal
De voz afinada, voas para cantar
dentro de palavras inteiras

Palavras sem pronúncia
Sem pátria nem dono
Soltas pensamentos ao vento
Escrita corrida e sem sono

Conta-me uma história
Num abraço apertado
De mãos dadas
Numa carícia contida

O dia termina com o pôr-do-sol
Frente ao mar de prata
Feito de palavras doces
Selado com um beijo por lábios sedentos

29-07-2017
João Pires

Joao Pires


Para receber mais poemas e informações sobre novos livros, pf visite

quarta-feira, 26 de julho de 2017

tinta permanente - João Pires - "Lágrima da Saudade"


Lágrima da saudade



Uma lágrima de saudade percorre o meu rosto
Não me canso de chamar por ti
Percorre uma dor no meu peito
No universo das emoções a lágrima da saudade é a mais dolorosa
Saudade é que nem pimenta arde tanto que não conseguimos esconder as lágrimas que brotam dos olhos
A lágrima de uma saudade
Saudade que doeu dentro das lembranças perdidas
Pomba branca, mensageira da saudade
Sonhos que não nasceram
Risos que hão-de acontecer
Amizade que vai nascer
Sol que irá brilhar


Lágrima da saudade que rola para o mar
Mar de lágrimas saudosas
De quem já chorou
Por todos aqueles que navegaram no mar da saudade

Tens jantar marcado com a tua mãe
Numa dessas nuvens de algodão
Sem dia agendado
Por enquanto ela olha por ti

O sossego do teu canto
O canto dos pássaros que tem embala
Numa suave melodia
Acompanhada da brisa da manhã azul


Tímida na tua voz
Curiosa por conhecer a outra
A outra voz que te seduz
Num raio de luz brilhante


Ramos de flores
Numa lágrima de saudade
Numa paleta de cores
Oferecido com amizade


Se pudesses dar uma gargalhada, seria sonora
Gostarias de brincar como uma criança
Em brincadeiras constantes
Gosto pela audácia e aventura

Um dia, chegará o teu dia perfeito
Apontas a tua seta ao céu longínquo
Nesse momento não haverá defeito
Desaparecerá para sempre o iníquo


Tudo surgirá com a naturalidade
Num oceano que nos une
De uma lágrima de saudade
À qual ficarás imune

Espontaneidade não te falta
O que mais prezas é a mente
De amizade pela malta
De cabeça levantada e sorridente


Adoras viver
E procuras na vida o que te traz alegria
Queres sentir prazer
Rumar em direcção à felicidade
No teu coração queres trazer
Um cesto grande de amizade

Não estarás nunca sozinha
Seja em momentos de festa
Pregando partidas aos outros
Ou em palpites secretos de abandono

Onde está a vontade de viver?
Procuro na minha vida apenas aquilo que traz alegria
Onde está prazer e felicidade?
Olha para o céu em jeito de alegoria


Energia muito forte e positiva
És calorosa mas algo tímida
Coragem não te falta
Para subires ao alto da ermida

A infância vai distante
De má memória familiar
Lágrima de saudade abundante
Virá em oceano para te aliviar


Liberta-te do passado que há em ti
Hoje é dia de viver alegremente
Mesmo cum uma lágrima de saudade
Que corra pela cara abundantemente

Serás mulher sem medos
De grande audácia e gosto por aventura
Transforma-te em pessoa arrojada
Recupera o teu sorriso com bravura


Medo é sentimento que não existe
É coisa do futuro que ainda não aconteceu
Foi coisa que há muito destruíste
Dos teus mais íntimos pensamentos
Serás mãe entre mães
Mulher carinhosa e protectora
Estabelecendo grandes laços
Esquecendo momentos de outrora

Lágrimas de saudade
Quando os olhos se encontram
Mesmo em momento de partida

Liberta-te das correntes do passado
Respira fundo e fecha os olhos
Do gigante negro algemado
Quebra as correntes de salpicos

Quando a cólera desperta
O vulcão começa a estremecer
Mas as fúrias são passageiras
Pois a vida é demasiado breve
Para perder tempo com coisas brejeiras

Gostas de inventar histórias
E pregar grandes partidas aos outros
Só para convencer os amigos
E ver as suas caras de espanto

O amor é atrevido e aventureiro
Tem um sorriso confiante e muita segurança
Ele tem o poder da sedução
Que sabe usar com mestria
E te vai devolver a tua confiança


Se algum dia conquistares o coração
Dedicada e leal lhe serás
Mas também sedutora e namoradeira
Disposta a viver uma vida inteira


26-07-2017


João Pires



Para receber mais poemas e informações sobre novos livros, pf visite

Lágrima da saudade


terça-feira, 25 de julho de 2017

tinta permanente - João Pires - "Esta noite, janta comigo"

Esta noite, janta comigo
Taças de Champanhe
Ou simples pôr-do-sol
Um poema ou ramo de flores

Não queres ser famosa, apenas ver o por do sol
Ou sentir a felicidade no peito
Nunca ensaias o que vais dizer ao telefone
Pois tudo sai ao contrário 

O teu dia perfeito é estar com quem te faz feliz
Cantas para mim?
Cantas sempre a tua música preferida quando vais no carro
Mas não cantas para mim?
Anseias por aquele beijo de cortar a respiração

Escrevo agora para ti
E tu gostas de ler
Simpatia nas palavras

Palavras que beijam
Frases que rimam
Romance nas ideias
Emoções que transbordam
Tudo para ti
Agora que te dou estas palavras

Não te deixes influenciar pela mãe Lua
És mãe de todos
Dos amigos, dos animais e das flores

Mulato de coração
Fugiu-te do peito
Sinónimo de emoção
Num romance contrafeito

Mas o passado já aconteceu
Não sejas influenciável
Vais ser feliz com certeza
Abre a porta do coração
Com delicadeza

Ela está lá dentro
A felicidade só depende de ti
És mãe do mundo
Amizade só com sinceridade

Pequeno-almoço na cama servido pelo Rei
És mulher com tenacidade e emoção
De família constituída
Mãe protectora e sensível

Vontade de sonhar mais alto
Voar até nos céus
Escuta a tua vida interior
De grande receptividade

Fantasia não te falta
Memória de elefante
Não esqueces os amigos
Segue a vida avante

Lagos de emoções
Cheios de sonhos
Por viver e voar
E voltas ao refúgio seguro e acolhedor

Gostarias de proteger e salvar o mundo
Mas nem sempre é assim
Voltas à fantasia
E abres os braços para voar

De manhã vestes alegria
À tarde usas a fantasia
Comes uma tarte de maçã
Ficas com cheiro a canela
E à noite sentes a maresia

Tal como uma vela
Tu derretes e esvaneces
Ora dás uma risada alta
Para cair num choro incessante
Mas sem ser alarmante

Trato-te com gentileza
Como se de uma flor tratasse
Por favor mais delicadeza
Como se eu te implorasse

A fantasia é o teu reino
Carrossel de emoções
Intuição sem treino
Mulher das quatro estações

Infinita receptividade
Para a família e amigos
De grande cumplicidade
Para o coração escondido

Capacidade infinita de sonhar
Em grande montanha russa
Ora estás a voar
De caminho vais navegar

O teu refúgio é seguro e acolhedor
Vieste para proteger e salvar o mundo
Sabes abraçar com calor
Este meu coração vagabundo

Trato-te com carinho
És personagem principal
Amo-te de mansinho
Paixão sem igual

Janta comigo esta noite
24-07-2017
João Pires


Joao Pires



Para receber mais poemas e informações sobre novos livros, pf visite

terça-feira, 18 de julho de 2017

tinta permanente - João Pires - "Acendeste-me um sorriso"


Acendeste-me um sorriso

Iluminei-te o coração
Quero abraçar-te agora
Nem que para isso
Seja preciso atravessar um oceano
Gostaria de jantar contigo
Numa ilha verde
Cercada de água salgada
És mulher brilhante
Iluminas o meu caminho



Discurso directo, sem ensaio
Anda, vem comigo
Vamos lançar o papagaio
Sem apanhar castigo


Um dia totalmente perfeito
No meu peito eu te abraço
Sem por qualquer defeito
Me recebes no teu regaço
Sem cobranças ou pressão
Deixando correr a paixão


Solta o amor e vem voar
Voar sobre o Atlântico
Como os pássaros de alto mar
Num suave cântico
Apenas para amar
Cantarei para ti
Pois desta vida nada se leva
Em voo de colibri
Apenas ficará o amor
Que sinto por ti


Mulher de corpo inteiro
Olhos brilhantes
Acendes de novo o sorriso
Com esse jeito brasileiro
De andar impreciso


Navegar em poesia
Para os lados de Ipanema
Desenhar-te um poema
Com cheiro a maresia

As coisas da natureza
São as que mais apreciamos
E brindam com total beleza
Numa árvore frondosa de ramos

É a vida que faz seguir em frente
Por ti subiria a avenida
Ou seguiria até à Antártida
Sempre autonomamente
Pois o que me faz mover
Não tem preço
Entrega-te ao amor
Sem duvidar
Que alguma vez
Será esse o teu derradeiro encanto
E eu ofereço-te uma flor
Devolves um sorriso


Abraço-te.
Abraço-te num profundo desejo
Choras.
Choras de felicidade, de amor ou tristeza
Abraço-te de novo
Suspiras em ondas
Tal como o oceano
As tuas lágrimas são salgadas


Entrega-te
Entrega-te aqui e agora
Fechas os olhos e de joelhos
Talvez numa prece
Ouves os sons do mar
Sentes lábios nos teus
Outro terno abraço.
De cortar a respiração.


A tua vida é aqui e agora
Respira fundo
Fecha os olhos
Suspira
Voa. Voa sem parar
Damos as mãos
Para voar mais alto


O futuro não importa
Voa comigo agora
Não feches a porta
Do teu coração


Sorriso belo e franco
Olhos brilhantes
De manhã louro liso
À tarde encaracolado
À noite preto
É assim o teu cabelo
Mas não troques o namorado


Barba negra
Capitão dos mares
Vem buscar-te
Para voar pelos ares
Barba negra mas macia
A tua pele acaricia


Barba macia que passeia pela tua pele
Desnorte sem medo
A respiração que se expele
Como se fosses um brinquedo
Brinco com a tua pele
Causando algum enredo


O medo não existe
É coisa do futuro
Quero-te aqui e agora
Nem que tenha que saltar o muro


A vida é pra ser vivida
De manhã até à noite
Daqui até à Antárctida
Aqui e agora
Recebe o meu abraço
No teu regaço


Amigos contam-se pelos dedos da mão
Vais conviver com eles
Não os deixes cair em vão
Não percas os teus contactos


És mulher
Foste feita pra ser amada
Recebe um carinho
Debaixo da chuvada
O medo não existe
O passado foi atrás
Quero-te agora
Mulher da alegria
Atravessar oceanos
Iluminas o caminho
Com o brilho do olhar
Sinto a tua presença


Mulher de infância feliz
Felizmente há luar
Para te guiar
No caminho da luz


Mulher carinhosa e de grande emoção
O silencia é a tua saída
Quando nega o coração
Procuras a paz sem alternativa


A curiosidade que nos move
Saber o que está por trás do sorriso
Mesmo depois dos dezanove
Quando tudo era indeciso


Sonhas com um novo mundo
Um mundo de amor verdadeiro
Na verdade ele já existe
Dentro de ti por inteiro


Queres voar
Para conhecer o mundo
Num golpe de asa
Ficas a saber donde sou oriundo


Queres partilhar o teu sonho?
Vem voar comigo
Deslizar pelas brumas
Brincar nas nuvens brancas
Brinco contigo às palavras
Nuas e desejadas


O teu pai é o herói
Mas queres ser amada
Onde está o herói do mar?
Ou da cidade verde?


Mulher de imaginação
Não gostas de ser contrariada
Mas tens grande intuição
E queres ser amada


Vamos rir até à lua cheia
Dá-me a tua mão
E voltamos a voar
Minha Dulcineia
De manhã estás de bom humor
À tarde vem a tempestade
Pela noite surge a lua cheia
Acompanhada do teu amor


Romance não é prosa
É ambientação
Também é glosa
Como aquela que escrevo
Em cima da tua pele


Não aceitas conselhos sábios
Nem da tua querida mãe
Nem novos corolários
De uma verdade já sabida


Hoje estás solitária
Amanhã talvez mais sociável
Mulher decidida
Resistente, tenaz e sábia
Mulher sensível
De quem gostas


Imaginação fértil
Gostas de música
Aceitas dançar comigo?
Vamos sonhar?


Gostas de sonhar sobre o futuro
Mas o amor está a acontecer
Agora.
Vamos voar ou navegar?
Que as tuas recordações do passado não te impeçam de sonhar
O carinho que te dou
Enquanto estou a sonhar


Mulher de força
Também suavidade
Montanha de seda
Intensamente leal


Controlas a tua mente
Pois acreditas e lutas
Por aquilo que acreditas
Vais chegar ao teu destino


Não esqueças
O mais importante
É o caminho
Segue avante


O tempo é agora
Não deixes para depois
O passado já aconteceu
O futuro não sei

Beija-me agora!


17-07-2017
João Pires



Para receber mais poemas e informações sobre novos livros, pf visite



Joao Pires